Fotografar na Floresta – O Inverno está a chegar

Esta será possivelmente, a minha última visita do ano ao Parque Nacional Peneda-Gerês. Procuro o último suspiro do outono e sabe-se lá o que mais.

Bem cedo, entro pela floresta e conforme vou progredindo pelo caminho bem marcado, tento distanciar-me dos pensamentos do dia comum. Nunca é uma tarefa fácil, mas com o passar dos anos e com a prática, vou conseguindo, cada vez mais depressa, saltar para o estado da mente criativa.

Não pego logo na câmara fotográfica e reservo os primeiros minutos, apenas para ampliar os sentidos, na esperança de receber os sinais enviados pela natureza que me envolve. Ao fim de meia hora, já me sinto sintonizado com o lugar, apesar de este ser relativamente novo para mim. Contudo, ainda não é o momento para fotografar pois nada em especial, chama a minha atenção. Não faz mal, estou apenas a apreciar o momento, entusiasmado com a exploração do sítio e à espera de ser surpreendido.

Ao fim de algum tempo, a serpentear pelo estreito caminho e denso de vegetação, olho para o lado e vejo uma fotografia antes mesmo dela acontecer. A expressão e os gestos, quase humanos de algumas árvores, rapidamente prendem a minha atenção. Estes antigos carvalhos, ainda com alguma folhagem de final de outono, parecem estender-me os braços, como que a convidar-me a fazer-lhes companhia por algum tempo.     

Aqui, sente-se que o inverno está prestes a chegar, embora venha lentamente. O amarelo e o laranja a dar lugar ao castanho como um sinal da natureza a avisar que uma grande parte de si, vai entrar brevemente, numa espécie de estado de hibernação.

Agora, observando melhor a natureza, percebo que o outono afinal, não é nem nunca será um prenuncio de morte.

Preparo-me e aguardo pela chegada da estação fria, mais uma vez para testemunhar uma parte do mundo, que apenas adormece.

“Olha profundamente para a natureza e então entenderás tudo melhor”

ALBERT EINSTEIN
error: Conteúdo protegido !!